Prefeitura Municipal de Macaé

Educação intensifica debate sobre a neurociência

2018-06-13 17:50:00 - Jornalista: Elis Regina Nuffer
Compartilhe:  
Foto de pessoas no auditório do Bloco B da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Cidade Universitária
Foto: Divulgação
Encontro aconteceu nesta quarta-feira na Cidade Universitária

O que um grampeador e um clipe podem representar no dia a dia das pessoas? Mais do que as funções usuais o que eles representam, na prática, é a união. Com esse conceito foi aberto o IV Diálogos em Educação, promovido pela Secretaria Municipal de Educação, nesta quarta-feira (13), no auditório do Bloco B da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Cidade Universitária. O tema foi “A Neurociência e suas Vertentes para o Ensino-Aprendizagem com Significado” dedicado a orientadores educacionais e pedagógicos.

O evento deu continuidade ao assunto iniciado no III Diálogos, mas os participantes avançaram nas questões que o tema envolve e, no final, foi feita uma avaliação das impressões que vão contribuir para o planejamento do próximo encontro. A superintendente de Ensino Fundamental e Médio, Balade Ayala, destacou a importância da base de uma educação humanista para o desenvolvimento de bons valores nos jovens, com respeito às diversidades e às culturas nas relações do cotidiano.

- É fundamental aprender sempre para compreendermos os processos de formação dos nossos alunos a fim de que possamos fazer a mediação no momento certo e construirmos, juntos, uma educação que tem como marca a continuidade na formação da cidadania que é exercida todos os dias - enfatizou.

A orientadora educacional da rede, Andréa Carvalho, explicou a simbologia do grampeador e do clipe na vida das pessoas:

- Eles unem e é esta função de cada um de nós na vida do próximo. É essa relação que buscamos na educação que praticamos e oferecemos no processo ensino-aprendizagem. Por isto cada um de vocês recebeu, na entrada deste encontro, uma caixa contendo clipes e um texto sobre a razão deles existirem. O que eles podem fazer para nos auxiliar na rotina do trabalho é muito do que podemos fazer nas escolas por nossos alunos e é a razão de sermos educadores: unir pelo conhecimento - acrescentou.

A abertura do encontro ficou por conta da atração cultural do Colégio Municipal Letícia Santos Carvalho, com o quinteto de alunos da Oficina de Dança ministrada pelo coreógrafo da rede e professor de dança e teatro no colégio, Renato Mota. Camile Nathália, Larissa Alves, João Pedro da Silva, Aíssa Gonçalves e Laura Dias deram um show de como as pessoas podem conversar com o corpo através da dança e, dessa forma, mostraram a relação e a importância de atividades afins nas escolas. Ganharam muitos aplausos dos participantes.

O tema do IV Diálogos foi abordado em dobradinha da pós-graduanda em Neurociências, Karla Osíris Freire Leal, e a pós-graduanda em Neuropsicopedagogia, Patrícia Pinheiro Cardoso, ambas professoras do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora (IseCensa) de Campos dos Goytacazes. Elas mostraram o funcionamento do cérebro voltado para a aprendizagem dos alunos. O evento é realizado pela Superintendência de Ensino Fundamental e Médio, através das Coordenações de Orientação Educacional e Pedagógica.

Este foi o segundo encontro promovido este ano. O projeto foi iniciado em agosto do ano passado visando a interação, troca, fala e conhecimento entre os profissionais e as ações desenvolvidas nas unidades escolares da rede pública de Macaé. A segunda edição ocorreu em outubro com abordagem da Avaliação da Aprendizagem.

Busca

Acesso Rápido

Destaque