Prefeitura Municipal de Macaé

Guerra contra o Aedes: mais de 39 mil visitas desde janeiro

2017-02-16 11:11:00 - Jornalista: Carla Cardoso
Compartilhe:  
um drone sobrevoando um imóvel
Foto: Ana Chaffin
Drone é uma das ferramentas no combate a possíveis focos do Aedes

Continuam com força total as ações preventivas contra a proliferação do mosquito Aedes aegypti, vetor transmissor da dengue, febre chikungunya e zica vírus, em Macaé. Desde janeiro já foram realizadas 39.292 visitas em imóveis no município. Destas, em 724 foram encontrados focos do mosquito, que foram eliminados e devidamente monitorados.

Outras ações foram listadas por Flávio Paschoal, coordenador administrativo do Centro de Controle de Zoonozes (CCZ), como 93 caixas d'água que foram cobertas, momentaneamente, com telas, pela equipe do centro. Neste período, 53 imóveis foram recuperados (que estavam fechados nas primeiras visitas, mas conseguiram ser visitados depois). Foram realizadas 34 palestras e atendidas 711 demandas captadas pela equipe e espontâneas, feitas por cidadãos na tenda montada na Praça Washington Luiz.

Segundo Flávio Paschoal, o número de demandas está menor, devido a ausência de chuvas e o apoio da equipe de Limpeza Pública com a retirada de inservíveis. A volta às aulas também vai auxiliar a fiscalização no trabalho que deve ficar até o fim do mês de março.

- Das 711 demandas, 664 foram concluídas e em 137 encontrados focos do mosquito. Na área urbana, foram realizadas 265 visitas em imóveis do setor de Educação (particular, estadual e municipal), 111 a imóveis da área de Saúde (particular e pública) e, 186 a unidades que englobam igrejas, entidades, cemitérios entre outros. Já na região serrana, foram 15 visitas a escolas e13 a unidades de saúde, enumera Flávio, acrescentando que houve ainda limpeza em 78 terrenos baldios, com remoção de 1.200 toneladas de lixo.

Drone - A utilização de um drone para combater o mosquito Aedes continua sendo feita pela equipe que usa o equipamento para monitorar locais, onde não é possível identificar se há focos. Percorrendo até cinco quilômetros em uma altura de 500 metros, o drone foi levado para o bairro Visconde, nesta quinta-feira (15).

Segundo Flávio Paschoal, com o equipamento é possível identificar depósitos onde não há fácil acesso. "Podemos identificar caixas d'água sem tampa, lajes com água parada e lixo em imóveis ou terrenos baldios. O drone percorre uma área que levaríamos dias para monitorar. Já estivemos com ele no Parque Aeroporto e em parte da Barra. Sempre onde tem mutirão, levamos o aparelho. É um trabalho minucioso", explica.

Proprietário do drone, Daniel Carvalho, da a empresa DM Photography, lembra que o monitoramento é uma parceria sem ônus para a prefeitura. "Com o drone tiramos quantas fotos forem necessárias, fazemos filmagens com resolução de até quatro quilômetros. É uma forma de auxiliar o município e as pessoas. Sempre que solicitado eu participo dos mutirões", conta.

O coordenador de Promoção da Saúde dos Animais e Controle de Zoonoses, Rafael Amorim, ressalta que o drone é uma ferramenta importante na luta contra o Aedes. "Encontrando criadouros, podemos evitar que nasçam os mosquitos e evitar que as pessoas sofram com as doenças. É importante lembrar que é preciso ficar vigilante quanto à água acumulada em casa. Os bebedouros dos animais devem ser limpos todos os dias, também para a saúde do animal".

O trabalho de vistoria aos imóveis fechados continua. A população pode contribuir, fazendo denúncias para o Disque Dengue: 0800-022-6461 ou ainda na página da prefeitura no Facebook.

Busca

Acesso Rápido

Destaque