Secretaria de Saúde alerta para o consumo de pescado e chocolate na Páscoa

Mar 16, 2005 5:45:23 PM - Jornalista:

Com a proximidade da Semana Santa há o aumento no consumo de pescados, ovos de páscoa (chocolate), milho para canjica entre outras. Por conta disso, a secretaria de Saúde de Macaé, através da Coordenação de Vigilância Sanitária, alerta a população para os cuidados que devem ser tomados na compra destes produtos.

O coordenador Gilberto Cunha dá detalhes sobre os produtos próprios e os impróprios para o consumo. “Peixes com escamas que se soltam facilmente e com musculatura flácida são impróprios ao consumo, bem como os que apresentam guelras escuras (em decomposição). Os que têm olhos sem brilho e fora de órbita também não podem ser consumidos, sob o risco de intoxicação alimentar”, ressaltou. Ele lembra que alguns vendedores mal intencionados costumam arrancar os olhos dos peixes para confundir os consumidores.

De acordo com o chefe da Divisão de Alimentos da Vigilância Sanitária, Ângelo Luz, as características principais do pescado em condições de consumo são escamas firmes, olhos brilhantes e salientes e guelras vermelhas. A carne não deve estar separada dos ossos e a cauda deve estar firme.

Ele explica que quando o peixe está fresco, ao pressionar sua barriga, ela volta imediatamente à posição. Seu odor é suave e característico. O orifício anal deve estar fechado. Quanto ao acondicionamento, colocar gelo em quantidade suficiente. Não pode ser embrulhado em jornais, sacolas coloridas e ou recicladas. O transporte tem que ser feito em sacolas transparentes ou em papel sem coloração.

Um dos carros-chefes deste período, o bacalhau, necessita de cuidados e atenção especial na hora da compra. Gilberto Cunha também fornece as características principais desse pescado, quando impróprio ao consumo. “Seu odor e sabor tornam-se desagradáveis. A musculatura apresenta-se amolecida, úmida e pegajosa e a área de coloração mostra-se anormal, com manchas avermelhadas, devido ao crescimento de bactérias próprias aos meios que contêm cloreto de sódio”, disse.

Ele ressalta que essas alterações normalmente aparecem associadas. Outra característica negativa é a existência de larvas e parasitas. Já as manchas marrons, lembrando ferrugem, não tornam o bacalhau impróprio ao consumo.

Ainda com relação ao bacalhau, o coordenador alerta aos comerciantes que o produto é perecível, apesar de ser salgado e seco. “O comerciante deve expor apenas a quantidade prevista para a venda a cada dia. O restante do estoque deve ser conservado nas caixas sob refrigeração”, concluiu.

Chocolate – Entre a garotada os ovos de páscoa são a sensação, por isso os pais precisam ficar atentos ao prazo de validade, consistência e condições de armazenamento. Outra comida típica da Semana Santa e a canjica, onde o consumidor deve verificar o prazo de validade, armazenamento e observar se existe algum inseto no interior do pacote.

Para qualquer denúncia de irregularidade ou busca de orientação quanto ao consumo de pescado, a Coordenação de Vigilância Sanitária – COVISA – coloca seu telefone e endereço à disposição. Avenida Agenor Caldas 646 – Imbetiba. Tel 2762-0935.